Historia da a evolução da linha Galaxy S até o mais novo S8

Confira a evolução da linha Galaxy S até o mais novo S8

Lançado originalmente em março de 2010, o primeiro smarpthone da linha Galaxy S foi um marco na história da Samsung. Abrindo portas para centenas de outros produtos e também para uma trajetória cheia de sucessos para a companhia, o smartphone não foi apenas uma simples revolução interna dentro da fabricante, mas também uma nova janela de oportunidades para que diversas outras empresas pudessem explorar o mercado com novos aparelhos.
Ambiciosa e com muita vontade de dominar o mercado de smartphones, a Samsung se viu encurralada em alguns momentos, mas ao mesmo tempo contou com aliados fortes para que a evolução dos seus smartphones fosse feita da melhor maneira possível. Aliando um hardware poderoso ao software da Google, o Android, a Samsung construiu laços de longa 




A concorrência com o iPhone e o grande salto para o Galaxy S2
Sabemos que Apple e Samsung nunca foram melhores amigas quando o quesito é o lançamento de smartphones. Embora as empresas sejam parceiras na distribuição de hardware, a disputa iPhone Vs. Galaxy S se estende por alguns anos e possivelmente continuará, o que tende a ser bom para os consumidores, de maneira geral.
Rodando Android 2.1 numa tela Super AMOLED de 4 polegadas, o Galaxy S já era muito melhor que a grande maioria dos smartphones daquela época. Sua câmera de 5 megapixels também foi um grande atrativo aos usuários, e no período, 24 milhões de unidades do smartphone foram vendidas, e a Samsung enxergou ali uma grande oportunidade de se sobressair em relação a outras fabricantes como HTC, Motorola e LG.




Passando de 4" para 4,3 polegadas, o Galaxy S2 é o que podemos chamar de "início de uma nova era" para a linha de flagships da Samsung. O aparelho com tela super AMOLED mostrou ao mundo que a empresa de JK Shin não estava na disputa somente para ser a primeira, mas sim a principal fabricante de smartphones para o público high-end (sem deixar de lado os outros mercados, é claro).

Apresentado em abril de 2012 durante a Mobile World Congress, o S2 chega para o mercado já com suporte à conectividade 4G (que ainda estava dando seus primeiros passos) e dois modelos com processador Snapdragon (1,5GHz) e Exynos (1,2GHz) de dois núcleos. Na época, o aparelho já era considerado um "monstro" tratando-se de hardware e já trazia 1GB de memória RAM. A sua câmera, naquela época, passada de 5MP para 8MP.



Galaxy S3 e o distanciamento da concorrência




Se a Samsung já era líder de mercado em diversos aspectos, foi pouco tempos após o lançamento do Galaxy S2 que a empresa se consolidou de uma vez por todas. A chegada do S3 para os consumidores foi vista como uma grande mudança em termos de hardware e software, além de uma mudança exterior que fez do novo aparelho um grande marco na história da companhia.
Logo após diversos processos judiciais contra a Apple por questões de design e quebras de patente, o projeto do Galaxy S3 ficou pronto e em 3 de maio de 2012 o aparelho foi lançado. Um sucesso! 9 milhões de unidades apenas na pré-venda para um aparelho com visual fantástico.

O hardware, como sempre, conquistou o público sem precisar fazer muito esforço na época, visto que o chip Snapdragon S4 dual-core com clock de 1,5GHz e 2GB de memória RAM, e outro modelo com chip Exynos quad-core com clock de 1,4GHz e 1GB de RAM já eram suficientes para que qualquer consumidor já olhasse para o atraente smartphone da Samsung com outros olhos.



A chegada do Galaxy S4 para reestruturar os moldes da empresa





Passaram-se os problemas que envolviam a briga por patentes e o sucesso do Galaxy S3 era iminente, mas claro, após as ações da Samsung, outras fabricantes passaram a crescer os olhos
em todo o sucesso da companhia. O que estava para acontecer nos meses seguintes já era previsto:

  • Fabricantes lançando aparelhos competitivos;
  • Celulares cada vez mais "inteligentes";
  • Recursos nunca antes utilizados;
  • Empresa focando em pontos específicos para atrair o consumidor (como na câmera) e outros.
HTC, LG e Sony passaram a também se destacar no mercado, mas a Apple continuava sendo o Calcanhar de Aquiles da Sul Coreana, que para se manter como uma das principais empresas precisou reinventar um pouco a sua política de lançamentos e fez do mais novo aparelho o seu mantra para os futuros lançamentos. O S4, basicamente, foi desenvolvido visando os próximos projetos e o trajeto que a companhia viria a traçar nos próximos meses de existência.



A velha história de "ascensão e queda"

Se no Galaxy S4 a Samsung conseguiu atingir as expectativas dos consumidores em cheio, no S5 a empresa acabou decepcionando um bom número de usuários que esperavam novidades. O leitor biométrico e os sensores inseridos pela Samsung acabaram não sendo o suficiente para fazer com que o S5 se tornasse um recordista de vendas, e apesar de ter tido um grande impulso ao redor do mundo o aparelho acabou não satisfazendo todos os usuários, que a partir dai passariam a ser um pouco mais rigorosos com a empresa.





O novo Galaxy S5 foi visto apenas como uma versão melhorada do Galaxy S4. Uma releitura com poucas modificações, estas que, segundo os atuais usuários da empresa, não justificavam a troca de modelo. Mas a grande preocupação da Samsung não estava focada apenas no medo do seu mais novo flagship não se tornar um sucesso, mas sim de que outras fabricantes haviam aprendido a fazer smartphones de respeito e que o mercado estava mais disputado do que nunca.
Era hora hora de começar tudo de novo e apresentar um projeto inovador. Foi partindo desse princípio que a empresa anunciou o Galaxy S6.

Projeto Zero e um recomeço



A Samsung trouxe para o seu novo modelo o que já era esperado: uma nova identidade. Se antes os aparelhos da linha Galaxy S já eram respeitados por serem robustos em todos os aspectos, a o S6 faz com que essa ideia seja levada ao pé da letra.
Abandonando de vez os modelos com 16GB, a Samsung aposta nas versões com 32GB, 64GB e 128GB do seu novo flagships para atrair os usuários. Aliado à 3GB de memória RAM, o processador Exynos 7420 de oito núcleos faz com que o mais novo smartphone da companhia dê um grande salto em relação aos modelos anteriores. Sua tela Super AMOLED de 5,1 polegadas com resolução de 2560 x 1440 pixels também é um grande diferencial

Galaxy S7 Uma experiência refinada






Embora o Galaxy S7 seja bem parecido, de fato, com seu antecessor, Galaxy S6, as mudanças sutis que acompanham o mais novo flagship da Samsung fazem uma grande diferença em sua experiência geral de uso. Alterações minimalistas prometem aperfeiçoar o sentimento de ter uma unidade do modelo em mãos, prezando pela ergonomia da estrutura e conforto oferecido ao usuário.



Samsung Galaxy S7 as inovadoras. Começando pelo LTE 4G que permite a transferência de dados e excelente navegação na internet. Enfatizamos a excelente memória interna de 64 GB com a possibilidade de expansão. 
Câmera discreta de 12 megapixel mas que permite ao Samsung Galaxy S7 tirar fotos de boa qualidade com uma resolução de 4290x2800 pixel e gravar vídeos em 4K a espantosa resolução de 3840x2160 pixels. A espessura de 7.9mm torna o Samsung Galaxy S7 um dos telefones mais completos e finos. 


Samsung Galaxy S8 | S8 Plus, a revolução






Galaxy S8 e o Galaxy S8 Plus estão entre nós. Depois de muitos (muitos mesmo!) vazamentos, finalmente a Samsung revelou ao mundo os celulares top de linha que chegam ao mercado com a chamada "tela infinita". A tela ocupa de uma ponta à outra do smartphone, o que no fim das contas resulta em uma experiência mais sofisticada de uso.
Estamos caminhando para um futuro em que o telefone celular basicamente se resumirá à tela com as informações que o usuário deseja consultar. No caso do S8 e S8 Plus, o display ocupa 83% da face do smartphone, com direito à tecnologia AMOLED que faz as imagens serem mais iluminadas e as cores, muito mais vibrantes.
Galaxy S8 Plus é o nome dado ao modelo com display maior, de 6,2 polegadas - este sim parece grande demais. Provavelmente os vendedores da Samsung vão indicá-lo para as pessoas que têm mãos maiores, enquanto o modelo tradicional será aquele considerado "pau para toda obra".










O fim do botão home como conhecemos
Pode reparar: os celulares da Samsung no seu bolso ou no de seus amigos possuem como marca registrada três botões físicos que ficam na área inferior da frente do telefone, logo abaixo da tela. Eles servem para abrir os aplicativos mais recentes, exibir a tela inicial ou voltar à atividade anterior. Tem sido assim faz muito tempo, com a Samsung resistindo aos botões virtuais que fazem exatamente as mesmas coisas.
Não mais no Galaxy S8. O botão home e os outros dois companheiros se tornaram digitais, numa decisão que serve para adicionar "mais tela" ao smartphone. A novidade faz sentido, pois não é necessário interagir com essas funcionalidades quando o usuário está assistindo a um vídeo da galeria de imagens, do YouTube ou do app da Netflix. As atividades multimídia serão mais imersivas, segundo a companhia

Neste lançamento, por exemplo, a câmera principal continua com 12 megapixels. Deve ser a mesma do Galaxy S7, do ano passado, porém com atualizações. O consumidor pode esperar fotos espetaculares e um excelente desempenho em ambientes de baixa luminosidade, tal qual na geração anterior.
O Galaxy S7 e o iPhone 7 Plus competiram cabeça a cabeça para ver quem levava o título de celular com a melhor câmera de 2016, pois qualquer das opções é formidável. O S8 deve seguir essa mesma lógica.
Quem gosta de selfies tem um motivo a mais para desembolsar a grana pedida neste smartphone: a câmera frontal pulou de 5 para 8 megapixels.


fontes 
http://www.techtudo.com.br/noticias/noticia/2017/03/galaxy-s8-impecavel-num-primeiro-olhar.html

https://www.tudocelular.com/android/noticias/n52143/Historiaevolucao-linha-Galaxy-S.html